Enigma: sons de arraia, peixe sem cordas vocais, são gravados pela 1ª vez

gizmodo 1 semana atrás
Atualizada 2022/08/05 at 8:13 AM

Imagem em tons de azul foi tirada de um compilado de vídeos que mostra arraias emitindo sons no oceano.

Pesquisadores da Universidade Sueca de Ciências Agrárias registraram um momento raro enquanto mergulhavam nos mares da Austrália e Indonésia. Em diferentes vídeos, os cientistas mostraram pela primeira vez ao público arraias produzindo sons. 

Evidências de arraias emitindo qualquer tipo de barulho são bastante limitadas. Até então, o comportamento havia sido observado apenas uma vez em 1970. Na época, pesquisadores conseguiram ouvir os sons de arraias em cativeiro após cutucá-las com força. 

Os vídeos recentes foram gravados pelos coautores do estudo entre 2017 e 2018. Nas gravações, é possível acompanhar o nado das espécies Urogymnus granulatus e Pastinachus ater. O artigo completo foi publicado na revista Ecology.

Peixes sem cordas vocais

As arraias não possuem cordas vocais, o que torna a emissão de som ainda mais curiosa. Nas gravações, é possível ver os espiráculos do animal (fendas que levam água às cavidades branquiais) se contraindo para gerar o clique. 

De acordo com os cientistas, o peixe pode estar criando atrito entre os espiráculos e o tecido em sua volta, fazendo algo parecido com um estalar de dedos. Uma segunda hipótese sugere que as raias estejam formando um vácuo, como ocorre quando os humanos estalam a língua. 

O que leva as arraias a emitirem sons também permanece um mistério. Os pesquisadores avaliaram que estes peixes são capazes de ouvir o ruído que emitem, o que pode indicar que os estalos são usados para comunicação. 

Por outro lado, espécies predadoras de tubarão também podem ouvir o clique. Isso leva os cientistas a acreditarem que o som é usado para espantar ameaças ou notificar outros animais sobre a aproximação do perigo.

The post Enigma: sons de arraia, peixe sem cordas vocais, são gravados pela 1ª vez appeared first on Gizmodo Brasil.

Share this Article
Leave a comment

Deixe um comentário