Guardiões dos Khipus no Google Arts & Culture: explore a escrita indecifrável dos Incas

Google Brasil 1 ano atrás
Atualizada 2021/08/30 at 10:40 PM

Isaac Newton disse uma vez: ‘Se eu vi mais longe, é por estar sobre os ombros de gigantes”. Ao adotar essa frase milenar, ele reconheceu que todas as “novas” descobertas dependem de tudo o que as precedeu.

No Google, acreditamos firmemente que a história tem muito a nos ensinar. Para mim, pessoalmente, como latino-americana, não tenho dúvidas de que os povos nativos que habitaram nossa bela, diversa e inspiradora região nos deixaram inúmeros tesouros – muitos dos quais ainda esperam pacientemente para serem descobertos.
“Khipus”, que significa “nós” na língua quíchua, são os cordões coloridos e intrincados feitos pelos Incas, que habitavam algumas partes da América do Sul antes da colonização espanhola nas Américas. Essas cordas com nós ainda são um enigma esperando para ser desvendado. Que segredos estão escondidos nesses nós coloridos que datam de séculos atrás? Quais mensagens dos incas ecoam nesses cabos intrincados? O conhecimento ancestral que eles possuem poderia nos informar sobre nosso futuro?

É por isso que estamos satisfeitos e orgulhosos de apresentar a nova exposição online The Khipu Keepers no Google Arts & Culture.

Atualmente, existem cerca de 1.400 khipus em coleções particulares e museus em todo o mundo. Embora aproximadamente 85% deles contenham nós que representam números, os 15% restantes são considerados uma forma antiga de escrita sem palavras escritas em papel ou pedra. Os pesquisadores ainda estão trabalhando para decifrar os significados dessas mensagens codificadas.

Com o lançamento online dessa exposição hoje, o Museu de Arte de Lima (MALI) e o Google Arts & Culture estão abrindo uma janela para um dos maiores mistérios que o povo Inca deixou para trás.

Ao colocar os centenários khipus em exibição online pela primeira vez, a exposição permitirá que pessoas de todo o mundo se envolvam com o legado fantástico da civilização Inca. Ainda mais importante, ao criar um registro digital desses tesouros enigmáticos que ainda têm histórias para contar, também os estamos preservando para sempre. Nesse sentido, “The Khipu Keepers” é também um primeiro passo de uma jornada promissora para os pesquisadores encontrarem novas oportunidades graças ao poder de tecnologias como a digitalização.

Confira a história de khipus até o primeiro império da América Latina nas palavras da antropóloga Dra. Sabine Hyland e ouça o pesquisador Manny Medrano de St. Andrews enquanto ele responde às perguntas mais urgentes sobre o que sabemos sobre khipus. Assista a uma introdução aos componentes básicos de um khipu e ao que os especialistas descobriram até agora, ou explore o Quadro de Presença, que fornece uma conexão rara entre palavras e cabos. Amplie um grande khipu duplo e aprenda o que é necessário para conservar o khipus da coleção Temple Radicati.
 

Sete fatos interessantes sobre o enigmático khipus
  1. A palavra quíchua “khipu” significa nó.
  2. Os khipus pré-colombianos eram feitos de pêlo de camelídeo ou fibra de algodão.
  3. Os incas usavam três tipos de nós: simples, longos e oito.
  4. As cores dos cordões khipu têm significados diferentes.
  5. A distância entre os nós também tem um significado e transmite uma mensagem.
  6. Um cabo sem nós representa o número zero.
  7. De todos os khipus conhecidos, 85% transmitem valores numéricos e acredita-se que os 15% restantes contam histórias.
Da América Latina para o mundo
Como visto em outros projetos do Google Arts & Culture, como Woolaroo e Fabricius, a tecnologia pode ser uma ferramenta poderosa nas mãos dos pesquisadores para preservar, pesquisar e compreender o legado das culturas e comunidades antigas que vieram antes de nós.

Para os “The Khipu Keepers”, os pesquisadores são mais uma vez os responsáveis ​​por “desembaraçar” esse capítulo do nosso passado e nos fornecer as respostas. Eles agora sabem que não estão sozinhos nessa empreitada e que as tecnologias do Google podem ajudá-los a se aprofundar nos elementos da história.

TAGGED: Google
Share this Article