Asteroide que passou próximo à Terra tem superfície como piscina de bolinhas, diz estudo

CNN BRASIL 1 semana atrás
Atualizada 2022/08/08 at 8:56 AM

Um asteroide próximo da Terra chamado Bennu acabou por ser cheio de surpresas — a mais recente delas é o fato de ter uma superfície semelhante a uma piscina de bolas de plástico, segundo cientistas da Nasa.

A nova revelação ocorre depois que a agência espacial coletou com sucesso uma amostra do asteroide em outubro de 2020.

Durante o histórico evento de coleta, a cabeça de amostragem da espaçonave OSIRIS-REx afundou 0,5 metro na superfície do asteroide.

Aparentemente, o exterior de Bennu é feito de partículas frouxas que não estão unidas com muita segurança, com base no que aconteceu quando a espaçonave coletou uma amostra.

Se a espaçonave não tivesse disparado seu propulsor para recuar após sua rápida coleta de poeira e rochas, ela poderia ter afundado direto no objeto cósmico.

“No momento em que disparamos nossos propulsores para deixar a superfície, ainda estávamos mergulhando no asteroide”, disse Ron Ballouz, cientista da OSIRIS-REx baseado no Laboratório de Física Aplicada Johns Hopkins em Laurel, Maryland, em um comunicado. Ballouz é coautor de dois estudos divulgados em julho nas revistas Science e Science Advances sobre a descoberta.

Bennu é um asteroide de pilha de escombros em forma de pião, composto de rochas unidas pela gravidade. Tem cerca de um terço de 500 metros de largura.

“Se Bennu estivesse completamente compactado, isso implicaria rocha quase sólida, mas encontramos muito espaço vazio na superfície”, disse o coautor do estudo Kevin Walsh, membro da equipe científica OSIRIS-REx do Southwest Research Institute em Boulder, Colorado, em um comunicado.

Então, o que poderia ter acontecido se os propulsores da espaçonave não disparassem imediatamente?

“Pode ser que o OSIRIS-REx tenha ido mais fundo dentro do asteroide, o que é fascinante e assustador”, disse o coautor do estudo Patrick Michel, cientista do OSIRIS-REx e diretor de pesquisa do Centre National de la Recherche Scientifique em Côte d. ‘Observatório Azur em Nice, na França.

Felizmente, a espaçonave e sua premiada amostra estão voltando para a Terra. A amostra de Bennu deve chegar em setembro de 2023.

Bennu desafia as expectativas

Quando a espaçonave chegou a Bennu em dezembro de 2018, a equipe da OSIRIS-Rex ficou surpresa ao descobrir que a superfície do asteroide estava coberta de pedregulhos. Observações anteriores os prepararam para um terreno arenoso e praiano.

Os cientistas também testemunharam partículas do asteroide sendo lançadas no espaço.

“Nossas expectativas sobre a superfície do asteroide estavam completamente erradas”, disse o autor do estudo Dante Lauretta, investigador principal do OSIRIS-REx na Universidade do Arizona, Tucson, em um comunicado.

Esta imagem mostra o asteroide Bennu ejetando partículas de rocha de sua superfície em 19 de janeiro de 2019. / NASA/Goddard/University of Arizona

A espaçonave capturou imagens do local onde coletou uma amostra de Bennu, o que confundiu ainda mais a equipe. Embora a sonda OSIRIS-REx tenha batido muito suavemente no asteroide, ela levantou uma enorme quantidade de detritos rochosos e deixou uma cratera de oito metros de largura.

“O que vimos foi uma enorme parede de detritos irradiando do local da amostra”, disse Lauretta, professora regente de ciência planetária e cosmoquímica no Laboratório Lunar e Planetário da Universidade do Arizona.

“Nós estávamos tipo, ‘Caramba!’ Toda vez que testamos o procedimento de coleta de amostras no laboratório, mal fizemos conseguimos um pouco de terra.”

Fotos de antes e depois do local de pouso mostram a diferença. As imagens revelam o que parece ser uma depressão na superfície, com várias pedras grandes em sua base.

O próprio evento de amostragem provavelmente causou esse relevo afundado.

A superfície escura do asteroide também tem mais poeira refletiva perto do ponto de coleta, mostrando para onde as rochas foram movidas durante o evento. Essas mudanças são evidentes no controle deslizante abaixo.

Cratera criada no asteroide Bennu / Nasa/Goddard/University of Arizona

Ao analisar os dados de aceleração da espaçonave, a equipe determinou que ela encontrou muito pouca resistência, aproximadamente a mesma quantidade que alguém sentiria empurrando numa piscina de bolinhas.

Entender mais sobre a composição de Bennu pode ajudar os cientistas que estudam outros asteroides, seja o objetivo de planejar missões como o OSIRIS-REx ou proteger a Terra de possíveis colisões com rochas espaciais.

Um asteroide como Bennu, mal se mantendo unido, pode se separar na atmosfera da Terra, o que pode representar outros riscos, mesmo que não seja um impacto direto.

“Precisamos continuar interagindo fisicamente com esses corpos porque esta é a única maneira de realmente determinar suas propriedades mecânicas e resposta a ações externas”, disse Michel. “As imagens são cruciais, mas não nos dão a resposta se são fracas ou fortes.”

OSIRIS-REx — que significa Origins, Spectral Interpretation, Resource Identification, Security-Regolith Explorer — foi a primeira missão da Nasa enviada a um asteróide próximo da Terra e, uma vez lá, realizou a órbita mais próxima de um corpo planetário por uma espaçonave até o momento. Bennu é o menor objeto já orbitado por um veículo espacial.

A lembrança da espaçonave de Bennu é a maior amostra coletada por uma missão da Nasa desde que as rochas lunares foram trazidas de volta pelos astronautas da Apollo.

Assim que o OSIRIS-REx se aproximar da Terra em 2023, ele lançará a cápsula contendo a amostra, que disparará pela atmosfera da Terra e cairá de pára-quedas no deserto de Utah.

Se o OSIRIS-REx ainda estiver em boas condições de saúde depois de deixar a amostra, ele iniciará uma nova expedição para estudar outros asteroides.

Este conteúdo foi originalmente publicado em Asteroide que passou próximo à Terra tem superfície como piscina de bolinhas, diz estudo no site CNN Brasil.

Share this Article