Com lockdown ‘insustentável’, Índia reabre em meio a disparada de casos e temores de ‘bomba-relógio’

1 de 2
Índia promove reabertura da economia mas covid-19 ainda cresce no país — Foto: Getty Images via BBC

Índia promove reabertura da economia mas covid-19 ainda cresce no país — Foto: Getty Images via BBC

Quando, em 24 de março, o governo indiano iniciou um estrito isolamento da população e ordenou o fechamento de comércio e serviços não essenciais, o número de casos positivos de coronavírus somava cerca de 500. Com uma população de 1,3 bilhão e cidades densamente povoadas, as autoridades sabiam que o alastramento da doença poderia tomar uma dimensão catastrófica.

Mais de dois meses, 280 mil casos e 8 mil mortes depois, a Índia começou, nesta semana, a aliviar o confinamento, a despeito dos recentes recordes diários de diagnósticos positivos e da escassez de leitos no país. Mas há vários alertas de que os números de casos e mortes estão subnotificados.

Em reportagam publicada nesta sexta-feira (12), o jornal britânico Financial Times cita fontes de hospitais em Nova Déli que colocam os dados oficiais em dúvida. Segundo o jornal, nas últimas duas semanas, os crematórios e cemitérios estão tendo dificuldades para lidar com o alto número de mortos.

Em entrevista à agência de notícias Press Association, o médico e presidente do Fórum Progressivo de Médicos e Cientistas, Harjit Singh Bhatti, diz que o país está “sentado sobre uma bomba-relógio”.

“Se o governo não aumentar os gastos em Saúde, as coisas não vão mudar. Muita gente vai morrer.”

Entenda algumas das expressões mais usadas na pandemia do covid-19