Ads
Advertisements

1 de 2
Warren G. Harding (esq.) foi o 29º presidente dos EUA, entre 1921 e 1923 — Foto: GETTY IMAGES via BBC

Warren G. Harding (esq.) foi o 29º presidente dos EUA, entre 1921 e 1923 — Foto: GETTY IMAGES via BBC

O neto do ex-presidente dos Estados Unidos Warren G. Harding entrou com uma ação judicial para que os restos mortais do republicano sejam exumados para confirmar que eles são parentes.

James Blaesing disse à Justiça que deseja estabelecer sua ancestralidade com uma “certeza científica”.

Mas outros membros da família de Harding se opuseram ao pedido, feito em maio.

Eles dizem que aceitaram as evidências de DNA de que a mãe de Blaesing, Elizabeth Ann Blaesing, era filha de Harding com Nan Britton.

Harding, o 29º presidente dos Estados Unidos, teve um caso extraconjugal com Britton antes e durante a Presidência (1921-1923) dele.

O caso só veio à tona depois que Harding morreu, de ataque cardíaco, enquanto ainda estava no cargo, em 1923.

Britton revelou seu relacionamento em um livro publicado em 1927, The President’s Daughter (A Filha do Presidente), mas nunca procurou evidências de DNA confirmando a paternidade da criança por Harding. Harding não teve outros filhos.

2 de 2
Nan Britton e sua filha Elizabeth Blaesing, concebida com o presidente Warren Harding — Foto: GETTY IMAGES via BBC

Nan Britton e sua filha Elizabeth Blaesing, concebida com o presidente Warren Harding — Foto: GETTY IMAGES via BBC

Então, em 2015, o teste genético confirmou uma correlação entre o DNA de Blaesing e o de dois descendentes de Harding. O vínculo biológico de Blaesing com Harding foi oficialmente declarado pelo AncestryDNA, uma divisão do Ancestry.com.

Apesar disso, queixas surgiram, ante o aniversário de 100 anos desde a eleição de Harding (em 1920) como presidente.

Os seguidores e familiares de Harding estão se preparando para comemorar a ocasião com melhorias no já existente (e em um novo centro) presidencial em Marion, na cidade de Ohio, perto de onde ele nasceu em 1865.

Mas Blaesing disse que ele e a mãe não receberam o reconhecimento que merecem no novo museu.

“Eu fiz o teste e o levamos ao público em 2015. Agora é 2020 e ninguém me perguntou nada”, disse ele.

Blaesing disse que merece “ter sua história, a história de sua mãe e a história de sua avó incluídas nos salões e museus sagrados desta cidade”.

Ele disse que espera mudar isso fornecendo mais evidências de DNA de sua ligação biológica com Harding.

Ao mesmo tempo, o processo de Blaesing para exumar os restos mortais de Harding de seu memorial presidencial em Marion foi contestado por outra ramificação da família.

“Infelizmente, o amplo reconhecimento público e a aceitação pelos descendentes, historiadores e biógrafos (e pelo próprio Blaesing) de que Blaesing é neto do presidente Harding não são suficientes para ele”, disseram parentes em um processo judicial.

A Ohio History Connection, que administra a casa e o memorial de Harding, disse à agência de notícias Associated Press que não se posicionará sobre a disputa familiar.

No entanto, disse ao tribunal para considerar uma série de questões antes de violar o sarcófago lacrado do Harding Memorial.

A organização sem fins lucrativos disse que aceitou os resultados do DNA de 2015 “como um fato” e planejava incluir uma seção no novo museu sobre Britton e a filha dele.

PLAYLIST: Eleições nos EUA 2020