fbpx
- Advertisment -
Inicio Finanças Com fim do Auxílio Emergencial e piora fiscal, país lida com incertezas para 2021

Com fim do Auxílio Emergencial e piora fiscal, país lida com incertezas para 2021

-

Especialistas apontam os principais problemas para a recuperação econômica

Especialistas apontam os principais problemas para a recuperação econômica

Com a expectativa de término das transferências bilionárias, o Brasil tem uma transição difícil pela frente. Mais do que mitigar os efeitos da crise sanitária, o Auxílio Emergencial concedido a 67 milhões de brasileiros se tornou o principal motor do crescimento econômico recorde de 7,7% no terceiro trimestre.

Para os próximos trimestres, no entanto, o país lida com uma série de incertezas em várias frentes. Há dúvidas sobre a capacidade de o governo avançar com a agenda de reformas, em especial na área fiscal; o mercado de trabalho enfrenta uma deterioração; a inflação voltou a subir; e ainda não um há rumo definido para a criação de um programa social que caiba no orçamento do ano que vem.

Economistas discutem futuro do país em 2021 — Foto: Montagem/Celso Tavares

Todos esses entraves devem dificultar uma retomada mais consistente da economia brasileira, dizem analistas ouvidos pelo G1 e pela GloboNews.

Para 2021, as projeções dos analistas são de que o país deve colher algum crescimento, mas ainda tímido. Muito do resultado esperado vai vir do chamado carrego estatístico – a herança que o desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) vai deixar para o ano que vem. Diante desse quadro, o Brasil se aproxima de 2021 com uma série de desequilíbrios.

José Roberto Mendonça de Barros

O economista José Roberto Mendonça de Barros prevê que a economia brasileira vai enfrentar um quadro de estagflação no ano que vem.

Na leitura do sócio da MB Associados e ex-secretário de Política Econômica do governo Fernando Henrique Cardoso, o Brasil vai chegar ao próximo ano com vários desarranjos: na inflação, nas contas públicas, sem aumento do investimento e com o consumo andando de lado.

“A estagflação é isso: você sai do buraco, começa a andar de lado e volta para aquela mediocridade do crescimento que caracterizou o período de 2016 para frente”, afirma.

Mendonça de Barros estima uma alta de 2,5% no PIB do próximo ano. E com o fim do auxílio, uma queda abrupta no consumo, em um cenário no qual o beneficio será substituído por um mercado de trabalho muito enfraquecido.

“Vai ser uma dureza o mercado de trabalho no ano que vem”, disse.

Solange Srour

A economista-chefe do Credit Suisse, Solange Srour, acredita que Proposta de Emenda à Constituição (PEC) Emergencial vai funcionar como uma ponte até o fim do governo Jair Bolsonaro para que o país consiga lidar com os seus desequilíbrios fiscais.

Se a PEC não for aprovada, Solange avalia que vai haver um aumento da desconfiança entre os investidores com o rumo das contas públicas e com a capacidade de o governo cumprir o teto de gastos nos próximos anos.

“Se a gente não aprovar a PEC Emergencial, vamos ter uma minicrise no Brasil, ainda que o cenário internacional esteja muito favorável”, afirma Solange. “Esse risco vai acabar empurrando o Congresso a aprovar a proposta.”

A economista, no entanto, vê expectativas mais otimistas com a proximidade de aprovação de vacinas contra o coronavírus, que pode levar a um aumento da oferta e a “uma puxada de PIB mundial importante, que tem impactos no Brasil”.

“Se o Brasil conseguir manter a credibilidade fiscal, a gente pode ter uma recuperação cíclica favorecida pelos juros baixos, pela volta do crédito e do emprego, ainda que os programas de sustentação do crédito, da renda e do emprego comecem a ser retirados”, aponta.

Marcos Lisboa

O presidente do Insper, Marcos Lisboa, avalia que o Brasil optou por uma recuperação econômica mais forte no curto prazo, às custas de um agravamento da questão fiscal. Isso devido às medidas bilionárias de auxílio adotadas em meio à pandemia, que, segundo ele, acabaram se mostrando descalibradas.

“Isso teve um impacto positivo e um custo negativo”, afirma Lisboa, que foi secretário de Política Econômica no primeiro governo Lula. Segundo ele, o país trocou uma recuperação mais forte no terceiro trimestre por problemas à frente.

Para Lisboa, o país também perdeu a oportunidade de avançar com uma agenda de reformas, no momento em que a crise econômica começou a arrefecer. O economista aponta que a inação do governo torna o cenário mais difícil, e prejudica as expectativas para o próximo ano.

“O cenário para 2021 e 2022 é de extremos”, diz ele. “Um dos cenários é o governo vir com uma proposta consistente para enfrentar o problema fiscal, de não aumentar gastos. (…) O segundo cenário é o governo tentar algum atalho para permitir aumento dos gastos e não enfrentar os problemas que nós temos hoje. Nesta caso (…), nós teremos problemas graves na economia em 2021”, completa.

Vídeos: Últimas notícias de economia

Últimos Posts

Presidente da Eletrobras renuncia ao cargo

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr. — Foto:...

Auxílio Emergencial: Caixa libera saques de últimas parcelas para nascidos em novembro

A Caixa Econômica Federal (CEF) libera nesta segunda-feira (25) os saques e transferências das últimas parcelas...

Presidente mexicano López Obrador anuncia que tem Covid-19

Andrés Manuel López Obrador, presidente do México, durante evento...

Conheça 10 animes que foram inspirados na literatura clássica

A literatura clássica tem uma vasta gama de histórias encantadoras que já foram adaptadas diversas vezes ao cinema e...
- Advertisement -

Este é Alex, o primeiro pinguim da Antártida nascido no México

Nas últimas semanas, a equipe do Aquário Inbursa na Cidade do México só teve olhos para um animal, igual...

Super-ricos recuperam perdas econômicas provocadas pela pandemia, diz Oxfam

Os super-ricos já recuperam as perdas econômicas provocadas pela pandemia de coronavírus, de acordo com o...

Leitura Obrigatoria

- Advertisement -
- Advertisement -

Você também pode gostar dissoRelacionado
Recomendado para você