Brasil Twitter exclui mais de 30 mil contas vinculadas aos governos chinês, turco e russo

Twitter exclui mais de 30 mil contas vinculadas aos governos chinês, turco e russo

-

- Advertisment -

1 de 1
Foto de arquivo mostra a sede do Twitter em São Francisco, nos EUA — Foto: Jeff Chiu/AP

Foto de arquivo mostra a sede do Twitter em São Francisco, nos EUA — Foto: Jeff Chiu/AP

O Twitter anunciou a remoção de 32.242 contas vinculadas a máquinas estatais chinesas (23.750), turcas (7.340) e russas (1.152) nesta sexta-feira (12). Também foram excluídas cerca de 150.000 contas periféricas responsáveis ​​por “ampliar” o conteúdo divulgado pelas contas principais.

Segundo a rede social da Califórnia, essas contas estavam envolvidas em campanhas de desinformação ou promoviam a propaganda de seus respectivos estados. A grande maioria deles vem da China, onde o Twitter é censurado.

Leitores de notícias chinesas e alguns dos ativistas pró-democracia em Hong Kong devem ter perdido vários seguidores nesta sexta-feira. As contas suspensas “tuitavam principalmente em chinês e propagavam informações geopolíticas favoráveis ​​ao Partido Comunista Chinês, insistindo em promover relatos falsos sobre a dinâmica política em Hong Kong”, afirmou a direção do Twitter em um comunicado.

Não é a primeira vez que a rede social americana ataca a propaganda de Pequim. Em agosto passado, 936 contas acusadas de desinformação e “semear desordem” na ex-colônia britânica já haviam sido excluídas.

Mobilizar a diáspora chinesa

A crise sanitária provocada pelo novo coronavírus acelerou ainda mais o uso do Twitter por instituições e empresas estatais da segunda maior economia do mundo.

A rede social censurada na China permite mobilizar a diáspora chinesa em torno de questões como a resposta do regime à pandemia de Covid-19 e a adoção de uma lei de segurança nacional no território autônomo.

O objetivo é de atenuar e difundir um discurso oficial, mas também realizar “uma série de atividades de manipulação e coordenação”, especifica o comunicado distribuído à imprensa.

As 23.750 contas que foram parar nos arquivos do Twitter foram seguidas por um exército de “bots”, como dizem os especialistas: quase 150.000 contas falsas, robôs que atuam como caixa de ressonância para reescrever a história sob a perspectiva de Pequim, segundo denúncia revelada pelo The New York Times no início desta semana.

Esta decisão da plataforma de microblog foi amplamente comentada e aprovada, especialmente em Hong Kong, mas também alvo de críticas.

Muitos acusam as organizações parceiras do Twitter nesta “operação de limpeza”, como o Observatório da Internet de Stanford (SIO) e o Australian Strategic Policy Institute (ASPI), de não serem neutros no caso, porque recebem recursos americanos.

Últimos Posts

Até 2030, gasto com pandemia deve neutralizar economia com reforma da Previdência

Os gastos com a pandemia do novo coronavírus neste ano e o aumento que esses gastos...

Veja quem está na corrida por uma vacina eficaz contra a covid-19

Um grupo com poucas vacinas contra a covid-19 domina o noticiário mas, enquanto essas já atingiram a Fase 3...

Auxílio Emergencial: Caixa libera saques para 7,3 milhões nascidos em agosto e setembro

A Caixa Econômica Federal (CEF) libera neste sábado (28) os saques e transferências de novas parcelas...

Dirty Dancing: Patrick Swayze não será substituído no filme

A atriz Jennifer Grey confirmou que a sequência de Dirty Dancing (Ritmo Quente) não vai buscar um ator para substituir...
- Advertisement -

Leitura Obrigatoria

- Advertisement -
- Advertisement -

Você também pode gostar dissoRelacionado
Recomendado para você