Governo de Trump defende suspensão dos programas de assistência do Fed

Secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, defendeu a suspensão dos programas de assistência do Fed. — Foto: AP Photo/Susan Walsh

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, defendeu nesta sexta-feira (20) — a decisão de não continuar com os programas de assistência financeira emergencial depois que o Federal Reserve (Fed) pediu para estendê-los.

Mnuchin disse que o Congresso foi “muito claro” em suas intenções sobre esses programas ao colocá-los em prática até dezembro e argumentou que os mercados financeiros estabilizaram-se significativamente.

Contudo, esta postura foi duramente criticada pelos democratas do Congresso e por um importante grupo empresarial, que questionam o governo por limitar a ação do Fed a poucas semanas da posse do presidente eleito, o democrata Joe Biden.

Alguns legisladores acusam o governo do presidente Donald Trump — que ainda não admitiu derrota nas urnas — de sabotar deliberadamente a economia.

Planos de assistência financeira foram implementados no segundo trimestre para garantir liquidez em meio à volatilidade dos mercados financeiros.

Mnuchin notificou o presidente do Fed, Jerome Powelll, na quinta-feira (19), que os programas para o mercado de empréstimos corporativos, bem como os de empréstimos para pequenas e médias empresas, não seriam estendidos para além do final de 2020.

Mnuchin pediu ao Fed que devolvesse US$ 445 bilhões em fundos não utilizados para o programa. Minutos depois, o Fed disse que “prefere que os benefícios estabelecidos durante a pandemia do coronavírus sejam mantidos para sustentar (a) economia ainda fatigada e vulnerável” dos Estados Unidos.

Mnuchin pediu nesta sexta-feira que realocassem fundos para pequenas empresas e outras que sofreram um golpe devastador com o coronavírus.

“Precisamos que o Congresso realoque esses fundos. Poderíamos fornecer uma resposta fiscal imediata de US$ 500 bilhões que não custará dinheiro aos contribuintes”, disse.

Mnuchin respondeu evasivamente quando questionado se a mudança não é uma forma de amarrar as mãos do governo Joe Biden, cuja vitória eleitoral foi contestada pelo presidente cessante Donald Trump.

“Esta não é uma questão política”, disse Mnuchin. “Isso é muito simples e realmente a questão é permitir realocar 500 bilhões de dólares”.

O vice-presidente da Câmara de Comércio, Neil Bradley, classificou a postura do Tesouro como uma “surpresa”, argumentando que esta “amarra as mãos do governo eleito de maneira prematura e desnecessária, e fecha a porta para importantes opções de liquidez para as empresas no momento em que mais precisam”.

20 vídeos

Mais da metade dos brasileiros adiam planos de consumo por causa da pandemia, diz estudo

Flávia Oliveira: 'Poucas vezes vi uma proposta de governo ser tão bombardeada' Flávia Oliveira: Salário mínimo tem impacto nas políticas sociais

Secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, defendeu a suspensão dos programas de assistência do Fed. — Foto: AP Photo/Susan Walsh

O secretário do Tesouro dos Estados Unidos, Steven Mnuchin, defendeu nesta sexta-feira (20) — a decisão de não continuar com os programas de assistência financeira emergencial depois que o Federal Reserve (Fed) pediu para estendê-los.

Mnuchin disse que o Congresso foi “muito claro” em suas intenções sobre esses programas ao colocá-los em prática até dezembro e argumentou que os mercados financeiros estabilizaram-se significativamente.

Contudo, esta postura foi duramente criticada pelos democratas do Congresso e por um importante grupo empresarial, que questionam o governo por limitar a ação do Fed a poucas semanas da posse do presidente eleito, o democrata Joe Biden.

Alguns legisladores acusam o governo do presidente Donald Trump — que ainda não admitiu derrota nas urnas — de sabotar deliberadamente a economia.

Planos de assistência financeira foram implementados no segundo trimestre para garantir liquidez em meio à volatilidade dos mercados financeiros.

Mnuchin notificou o presidente do Fed, Jerome Powelll, na quinta-feira (19), que os programas para o mercado de empréstimos corporativos, bem como os de empréstimos para pequenas e médias empresas, não seriam estendidos para além do final de 2020.

Mnuchin pediu ao Fed que devolvesse US$ 445 bilhões em fundos não utilizados para o programa. Minutos depois, o Fed disse que “prefere que os benefícios estabelecidos durante a pandemia do coronavírus sejam mantidos para sustentar (a) economia ainda fatigada e vulnerável” dos Estados Unidos.

Mnuchin pediu nesta sexta-feira que realocassem fundos para pequenas empresas e outras que sofreram um golpe devastador com o coronavírus.

“Precisamos que o Congresso realoque esses fundos. Poderíamos fornecer uma resposta fiscal imediata de US$ 500 bilhões que não custará dinheiro aos contribuintes”, disse.

Mnuchin respondeu evasivamente quando questionado se a mudança não é uma forma de amarrar as mãos do governo Joe Biden, cuja vitória eleitoral foi contestada pelo presidente cessante Donald Trump.

“Esta não é uma questão política”, disse Mnuchin. “Isso é muito simples e realmente a questão é permitir realocar 500 bilhões de dólares”.

O vice-presidente da Câmara de Comércio, Neil Bradley, classificou a postura do Tesouro como uma “surpresa”, argumentando que esta “amarra as mãos do governo eleito de maneira prematura e desnecessária, e fecha a porta para importantes opções de liquidez para as empresas no momento em que mais precisam”.

Related Articles

Stay Connected

21,943FãsCurtir
2,756SeguidoresSeguir
0InscritosInscrever
- Advertisement -spot_img

Latest Articles