- Advertisment -
Inicio Brasil Duas questões que ameaçam a reeleição de Trump e como ele pode superá-las

Duas questões que ameaçam a reeleição de Trump e como ele pode superá-las

-

1 de 9
Trump caiu nas pesquisas eleitorais durante a pandemia de coronavírus nos EUA — Foto: Evan Vucci/AP Photo

Trump caiu nas pesquisas eleitorais durante a pandemia de coronavírus nos EUA — Foto: Evan Vucci/AP Photo

Se usarmos a história como parâmetro, Donald Trump deveria ser o candidato favorito para ganhar as eleições presidenciais americanas em novembro.

Mas ele não é.

O presidente americano, que na segunda-feira (24) foi indicado oficialmente como candidato à reeleição durante a Convenção Nacional do Partido Republicano, aparece de forma consistente nas pesquisas de intenção de voto atrás do adversário democrata, Joe Biden.

A tendência histórica nos Estados Unidos aponta que um mandatário que busca a reeleição é o favorito. Até agora, apenas 10 dos 45 presidentes perderam a disputa, sendo 4 no século passado.

Na disputa atual, a distância entre Biden e Trump passou de 4 pontos percentuais no início do ano para algo entre 7 e 10 pontos percentuais, a depender da fonte consultada.

Estar alguns pontos atrás nas pesquisas eleitorais não é necessariamente um decreto de derrota, muito menos nos EUA, onde os presidentes são eleitos por meio de um mecanismo conhecido como colégio eleitoral (que permitiu a Trump vencer Hillary Clinton em 2016 mesmo obtendo menos votos no total).

2 de 9
Quem está à frente nas pesquisas nacionais nos EUA? — Foto: BBC

Quem está à frente nas pesquisas nacionais nos EUA? — Foto: BBC

No entanto, muitos especialistas concordam que Trump se encontra agora em uma posição muito mais difícil do que em janeiro, e que, caso se mantenham as tendências atuais, é muito provável que ele seja derrotado em novembro.

A BBC News Mundo (serviço em espanhol da BBC) explica os principais fatores que têm afetado negativamente a campanha de reeleição de Trump.

1. Combate à pandemia

“Como a maioria das disputas presidenciais que envolvem reeleição, esta é um referendo sobre o presidente em exercício e seu desempenho no cargo”, explica Whit Ayres, pesquisador sobre o Partido Republicano, em entrevista à BBC News Mundo.

Como exemplos de que nem sempre os mandatários são favoritos, ele cita o democrata Jimmy Carter em 1980 e o republicano George H.W. Bush em 1992.

3 de 9
Em 1980, o republicano Ronald Reagan (à esq.) derrotou o democrata Jimmy Carter, que tentava se reeleger — Foto: Getty Images/BBC

Em 1980, o republicano Ronald Reagan (à esq.) derrotou o democrata Jimmy Carter, que tentava se reeleger — Foto: Getty Images/BBC

Para o analista, Trump estava em uma posição mais favorável antes da pandemia de covid-19. “Os níveis de aprovação de sua condução da pandemia estiveram em terreno positivo durante algumas semanas em março, mas desde então têm registrado uma tendência de queda sustentada, e é isso que o mantém atrás de Biden.”

Ayres destaca que, atualmente, 40% dos americanos aprovam e 58% desaprovam a gestão de Trump sobre a crise de coronavírus.

Stuart Rothenberg, analista político e editor sênior do site especializado InsideElections, considera que a resposta à pandemia do governo e, mais especificamente de Trump, gerou nos cidadãos a percepção de não serem capazes de entender o que estava acontecendo.

“O índice de infecções e mortes crescia, e o presidente falava que a pandemia iria desaparecer. O pior que pode acontecer com você é a percepção de que você não está em contato com a realidade ou de que é insensível.”

O especialista lembra que isso aconteceu em 1992 com George W.H. Bush porque este não sabia qual era o preço de uma garrafa de leite.

“Em seu estilo, o presidente é um líder de torcida. Ele sempre foi o mesmo. Ele diz: ‘Tudo é maravilhoso. Estou no controle. Vou consertar’. E isso funciona quando as coisas estão indo bem, porque você pode levar o crédito pelo sucesso. Mas é mais difícil se gabar de como as coisas vão bem quando as pessoas estão morrendo e os números indicam que não conseguimos controlar o vírus.”

4 de 9
Durante a pandemia, Trump resistiu por meses a usar máscara em público ou defender distanciamento social — Foto: Getty Images/BBC

Durante a pandemia, Trump resistiu por meses a usar máscara em público ou defender distanciamento social — Foto: Getty Images/BBC

Rothenberg acredita que, com essa atitude, Trump enfraqueceu sua posição com eleitores indecisos e até mesmo com alguns republicanos.

Paradoxalmente, a pandemia poderia ter sido uma oportunidade para o presidente fortalecer sua liderança eleitoral, como, segundo Ayres, aconteceu com vários líderes ao redor do mundo e até mesmo com governadores americanos.

2. Protestos contra injustiça racial

O assassinato em Minneapolis do ex-segurança negro George Floyd, que morreu em maio sufocado por um policial durante uma abordagem, desencadeou a maior onda de protestos raciais nos Estados Unidos desde os anos 1960.

5 de 9
Assassinato de George Floyd desencadeou a maior onda de protestos raciais nos EUA desde os anos 1960 — Foto: Getty Images/BBC

Assassinato de George Floyd desencadeou a maior onda de protestos raciais nos EUA desde os anos 1960 — Foto: Getty Images/BBC

As manifestações, na maior parte pacíficas e com a participação de cidadãos de diferentes raças, idades e classes sociais, ocorreram em dezenas de cidades em todo o país, colocando no centro da agenda política o tema da injustiça racial e reabrindo o debate sobre o racismo estrutural nos EUA.

Segundo analistas consultados pela BBC News Mundo, neste caso, Trump errou em sua estratégia de atacar os manifestantes, ao acusá-los de saquearem lojas e respondendo com mão dura — enviando a Guarda Nacional a algumas cidades.

“Ele pareceu insensível ante o coronavírus e as injustiças raciais. Sem reconhecer o grande abismo econômico racial ou problemas na forma com que a polícia trata os negros e as minorias em geral”, avalia Rothenberg.

Para o analista, os protestos que se tornaram violentos deram a Trump a oportunidade de fazer seu discurso em defesa da “lei e ordem”, que encontra eco entre seus eleitores mais fiéis, mas não no resto do eleitorado.

6 de 9
Trump conta com uma base fiel de eleitores que, sem dúvida, o apoiará nas urnas — Foto: Getty Images/BBC

Trump conta com uma base fiel de eleitores que, sem dúvida, o apoiará nas urnas — Foto: Getty Images/BBC

“A maioria dos americanos consegue distinguir saqueadores de cidadãos que protestam dentro da lei.”

Para Whit Ayres, a condução dos protestos após a morte de George Floyd não é a principal fonte de descontentamento em relação a Trump, “mas faz parte de um quadro maior que reforça o sentimento das pessoas de que nos Estados Unidos as coisas estão fora de controle e de que o país está indo na direção errada”. Essas avaliações se refletem nas pesquisas, segundo ele.

Estratégia que tira votos

O que Trump está fazendo então para recuperar o terreno perdido?

Anthony Zurcher, correspondente da BBC na América do Norte, considera que o presidente americano tinha uma estratégia de campanha no início do ano que acabou derrubada pelos efeitos da pandemia.

“Trump começou o ano com uma estratégia clara de como ganharia a reeleição. Ele se gabaria de como conduziu uma economia em seu 11º ano de crescimento. Ele falaria sobre seus acordos comerciais e como o manteve a nação em paz.”

7 de 9
A taxa de desemprego disparou durante a pandemia nos EUA — Foto: Getty Images/BBC

A taxa de desemprego disparou durante a pandemia nos EUA — Foto: Getty Images/BBC

“Joe Biden seria apresentado como uma operação arriscada num momento em que as coisas estavam indo tão bem. Mas a pandemia virou essa estratégia de cabeça para baixo”, avalia Zurcher.

Os efeitos do coronavírus na economia dos Estados Unidos foram catastróficos. A taxa de desemprego subiu de 3,5% em fevereiro para 14,7% em abril, embora tenha diminuído lentamente para 10,2% em julho.

No segundo trimestre do ano, a economia recuou a uma taxa de 32,9%, a maior queda da história do país.

“Agora, o presidente precisa explicar por que a economia está com problemas graves, por que mais de 170 mil americanos morreram e por que muitas cidades do país foram sacudidas por protestos contra a injustiça racial.”

Analistas ouvidos pela reportagem consideram que, ao não poder contar mais com sua estratégia eleitoral inicial, Trump recorreu à mesma fórmula que o elegeu há quatro anos.

“Sua mensagem é essencialmente a mesma de 2016. O país mudou, mas a mensagem do presidente continua igual”, pontua Ayres.

Rothenberg avalia, no entanto, que desta vez Trump não contará com a “janela de oportunidades” que teve em 2016, quando muitos eleitores do Partido Democrata não foram às urnas porque não se convenceram de que havia muitas diferenças entre os candidatos, ambos tidos como representantes dos interesses das grandes empresas.

“Quatro anos de Trump na Casa Branca mudaram essa equação, e ainda que a economia tenha funcionado bem durante um tempo, agora a situação é desesperadora.”

O analista considera que, ao assumir o mesmo estilo e retórica das eleições de 2016, Trump tem alijado muitos eleitores de grupos minoritários, jovens, homens e mulheres com educação superior e até mesmo apoiadores de seu partido.

8 de 9
Caso seja eleito, Biden teria mais de 80 anos no fim de seu mandato — Foto: Getty Images/BBC

Caso seja eleito, Biden teria mais de 80 anos no fim de seu mandato — Foto: Getty Images/BBC

“Esses eleitores esperam que seu presidente fale com uma certa linguagem, mas ele se manteve como um outsider ao criticar o establishment.” Segundo ele, ainda que essa estratégia sirva para mobilizar a base de apoio mais sólida de Trump, há sérias dúvidas se ela será suficiente para lhe garantir a vitória.

Trump pode reverter o prejuízo?

Ainda que ele esteja atrás das pesquisas de intenção de voto, a possibilidade de reeleição de Trump continua sendo bastante real.

“Seria tolo considerar garantida a vitória de Biden porque ele não é um grande candidato. Muita gente acredita que ele seja um homem decente e honrado, mas não é o candidato ideal para seus correligionários e eleitores. O presidenciável ideal do Partido Democrata seria uma governadora de até 50 anos, moderada e pragmática”, avalia Rothenberg.

O especialista espera que a maior parte dos eleitores republicanos se mantenha fiel a Trump por lealdade ao partido, por ideologia ou por acreditar que o Partido Democrata acabaria aumentando o tamanho do Estado ou criando mais impostos e regulações.

“As pessoas que se preocupam com esses pontos vão continuar apoiando Trump e sair para votar. O problema é que agora o presidente está dez pontos percentuais atrás nas pesquisas eleitorais, e ele não pode se dar ao luxo de continuar perdendo eleitores. Então precisa redefinir a natureza da disputa eleitoral”, afirma Rothenberg.

Segundo Rothenberg, o presidente já está tentando dar uma guinada na campanha em busca de um tema que servirá para subtrair votos do Partido Democrata e, em geral, de todos os seus adversários.

9 de 9
Economia dos Estados Unidos sofreu a maior queda de sua história — Foto: Getty Images/BBC

Economia dos Estados Unidos sofreu a maior queda de sua história — Foto: Getty Images/BBC

Primeiro, apostou no discurso de lei e ordem para atrair votos de eleitores suburbanos. Depois, afirmou que Biden é um socialista que vai implantar o socialismo nos Estados Unidos. “Há socialistas no Partido Democrata, mas Biden não é um deles. Então Trump busca o tempo inteiro por algo que atrapalhe seus adversários, embora até agora ele não tenha tido sucesso. Ele vai conseguir? Não sei “, diz o especialista.

Ayres, por sua vez, acredita que as chances de Trump estão mais ligadas à pandemia, já que os EUA têm 4% da população mundial e chegaram a somar 25% dos casos no mundo.

“Acho que suas melhores chances são que as novas infecções desabem consideravelmente e que a economia comece uma recuperação rápida.”

Na opinião de Anthony Zurcher, da BBC, esta semana, na qual ele oficializa sua candidatura, é fundamental para o presidente conseguir reorientar sua campanha eleitoral e aumentar suas chances de vitória.

“Para que Trump conquiste a vitória, como fez em 2016, ele terá que convencer os americanos de que é o mais capaz de liderar a nação em meio às crises atuais. Parte passa por lembrar o quão bem o país estava antes da pandemia. A outra parte passa por apresentar seu adversário, Joe Biden, como uma alternativa inaceitável: por ser muito fraco ou estar muito à esquerda”, diz.

ELEIÇÕES NOS EUA 2020

Últimos Posts

INSS: o que muda nas regras para pedir aposentadoria e pensão em 2021

A reforma da previdência completou um ano em novembro de 2019 e trouxe uma série de...

Ações de farmacêuticas se valorizam com mercado de vacinas; veja o ranking

Profissional de saúde se prepara para aplicar a vacina...

Steam de Resident Evil Village indica que a Capcom está trabalhando em um componente multiplayer

Uma atualização na entrada do Steam Database de Resident Evil Village parece sugerir que o multiplayer provavelmente fará parte...

Ministro do TCU cobra Ministério da Saúde por falta de oxigênio em hospitais do Amazonas

O ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Benjamin Zymler cobrou do Ministério da Saúde,...
- Advertisement -

United Airlines tem prejuízo de US$ 1,9 bilhão no 4º trimestre de 2020

Avião da United Airlines no aeroporo de Los Angeles...

Governo federal zera imposto de importação de pneus de caminhão

O Comitê Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior (Camex), do Ministério da Economia, decidiu...

Leitura Obrigatoria

- Advertisement -
- Advertisement -

Você também pode gostar dissoRelacionado
Recomendado para você