Brasil Bolsonaro deve sancionar nesta quarta-feira lei para liberar crédito a microempresas via maquininha

Bolsonaro deve sancionar nesta quarta-feira lei para liberar crédito a microempresas via maquininha

-

- Advertisment -

Medida possibilita empréstimo de até R$ 50 mil para MEIs, microempresas e firmas de pequeno porte pela máquina, além de prever linhas maiores e crédito a médias empresas. O presidente Jair Bolsonaro sancionará nesta quarta-feira (19) o projeto de lei que cria um programa de crédito com linhas para microempreendedores individuais (MEIs), micro, pequenas e médias empresas. As empresas receberão o crédito via maquininhas de cartão. O Programa Emergencial de Acesso a Crédito (Peac) foi criado em junho por medida provisória, e aprovado pelo Congresso Nacional. Segundo o governo, o objetivo do programa é, por meio de garantias, facilitar a obtenção de empréstimos por empresas e, assim, amenizar os impactos econômicos decorrentes da pandemia da Covid-19. O ministro da Economia, Paulo Guedes, deve participar da cerimônia de sanção no Palácio do Planalto. O presidente Jair Bolsonaro também sancionou a lei que institui o Programa Emergencial de Suporte a Empregos na mesma cerimônia. A medida possibilita que os MEIs, as micro e empresas de pequeno porte tomem até R$ 50 mil emprestados por meio de maquininhas de cartão. O empréstimo via maquininhas não estava na proposta original editada pelo governo no início de junho. A possibilidade foi incluída na Câmara e mantida no Senado. Além do empréstimo via maquininhas, chamado de Peac-Maquininhas, a medida provisória cria o Peac-FGI, que possibilita empréstimos garantidos pelo Fundo Garantidor de Investimentos (FGI), o FGI é um fundo garantidor de investimentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O Peac-FGI é destinado a empresas de pequeno e médio porte, associações, fundações de direito privado e a sociedades cooperativas – excetuadas as sociedades de crédito – que tenham sede no Brasil e que, em 2019, tiveram receita bruta entre R$ 360 mil e R$ 300 milhões. Senado aprova programa de crédito para micro e pequenas empresas via maquininha
Empréstimo via maquininhas De acordo com o projeto aprovado pelo Congresso Nacional, o micro e o pequeno empresário interessado em acessar o crédito por meio da maquininha terá de ceder ao banco que fez o empréstimo 8% dos direitos creditórios sobre vendas futuras realizadas na maquininha. O texto define ainda que o empréstimo e a cessão do crédito de vendas futuras terão de ser formalizados por meio de contrato com as instituições financeiras. O valor do empréstimo a ser concedido pelos bancos via maquininha será calculado com base na média mensal das vendas do tomador do crédito. O limite do empréstimo será o do dobro da média mensal das vendas liquidadas por meio de arranjos de pagamentos, e não poderá ser maior que R$ 50 mil por contratante. Os empresários terão que cumprir os seguintes requisitos para ter acesso ao empréstimo: tenham tido vendas de bens ou prestações de serviços liquidadas em arranjos de pagamento em pelo menos um dos meses entre janeiro e março de 2020; não tenham na data da formalização do empréstimo, operações de crédito ativas, celebradas fora do âmbito do Peac-Maquininhas, garantidas por recebíveis a constituir de arranjos de pagamento. A taxa de juros será de 6% ao ano, com prazo de 36 meses para o pagamento, incluído o prazo de carência de 6 meses para o início do pagamento. O texto aprovado pelos congressistas prevê um aporte de R$ 10 bilhões nesta modalidade de empréstimo, a ser coordenado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que atuará como agente financeiro da União. Os recursos serão provenientes do Programa Emergencial de Suporte a Emprego, que também foi sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro nesta quarta-feira (19). Empréstimo via fundo do BNDES A proposta autoriza a União a aumentar em até R$ 20 bilhões a participação no Fundo Garantidor de Investimento (FGI) para ajudar a cobrir as operações previstas no programa. O texto do Congresso diz que o aumento será feito por ato do Ministério da Economia. Empresas com sede no Brasil que tiveram faturamento de R$ 360 mil a R$ 300 milhões em 2019 poderão buscar a modalidade para cobrir operações, desde que as operações tenham sido contratadas até o fim de 2020 e preencham os seguintes requisitos: prazo de carência de, no mínimo, seis meses e, no máximo, doze meses; prazo total da operação de, no mínimo, doze meses e, no máximo, sessenta meses; limite máximo de R$ 10 milhões para o total das operações de crédito garantidas para cada contratante, por agente financeiro; taxa de juros nos termos do regulamento. O financiamento máximo é de R$ 10 milhões. O texto não detalha qual a taxa de juros para essa linha de crédito. De acordo com a medida, o fundo garantidor arcará com a cobertura da inadimplência suportada por cada banco, limitada a até 30% do valor liberado pela instituição financeira no âmbito do programa.

Últimos Posts

Bolsas da China têm terceira semana de ganhos com esperanças de recuperação

Os índices acionários da China fecharam em alta nesta sexta-feira (4) e registraram o terceiro ganho...

Câmara aprova texto de medida que cria programa habitacional Casa Verde e Amarela

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quinta-feira (3), por 367 votos a 7, o texto-base da...
- Advertisement -

Mercado europeu fecha próximo da estabilidade nesta quinta

As ações europeias encerraram praticamente estáveis nesta quinta-feira (3), com uma valorização nos papéis de materiais...

Leitura Obrigatoria

- Advertisement -
- Advertisement -

Você também pode gostar dissoRelacionado
Recomendado para você