O robô aspirador da Matic mapeia espaços sem enviar dados para a nuvem

Paulo Boaventura
23 Views
11 Min Read

Inúmeras startups estão tentando resolver problemas difíceis de robótica na indústria. Mas poucos pretendem trazer a tecnologia para os lares.

Bem, poucos, exceto Matic .

Um empreendimento relativamente novo fundado por Navneet Dalal, um ex-cientista pesquisador do Google, Matic, anteriormente conhecido como Matician, está desenvolvendo robôs que podem navegar pelas casas para limpar “mais como um humano”, como diz Dalal.

Matic revelou hoje que arrecadou US$ 29,5 milhões, incluindo uma Série A de US$ 24 milhões liderada por um quem é quem de luminares da tecnologia, incluindo o cofundador do GitHub, Nat Friedman, os cofundadores do Stripe, John e Patrick Collison, o CEO do Quora, Adam D'Angelo, e Cofundador do Twitter e CEO do Block, Jack Dorsey.

Dalal foi cofundador da Matic em 2017 com Mehul Nariyawala, anteriormente gerente de produto líder da Nest, onde supervisionou o portfólio de câmeras de segurança da Nest.

Dalal e Nariyawala se conheceram enquanto trabalhavam na Like.com, uma startup de visão computacional que o Google adquiriu em 2010, e acabaram co-lançando juntos a plataforma de reconhecimento de gestos baseada em webcam Flutter. (A Flutter também acabou sendo adquirida pelo Google , coincidentemente.)

Dalal e Nariyawala mergulharam no espaço da robótica interna depois de perceberem que o campo carecia de mapas 3D para uma navegação precisa – pelo menos de onde eles estavam.

“Assim como os veículos autônomos precisam de GPS e mapas do Google Street View para navegar, os robôs internos totalmente autônomos exigem uma compreensão precisa de sua localização em mapas 3D de alta fidelidade, semelhantes ao Street View, do mundo interno em constante mudança”, disse Dalal ao TechCrunch em um entrevista por e-mail. “Concluímos que os robôs internos precisavam de recursos de mapeamento no dispositivo para lidar com privacidade, latência e mudanças nos ambientes internos.”

Vácuo mântico

O aspirador de Matic usa uma série de câmeras para mapear espaços – e entender onde está neles. Créditos da imagem: Matic

No início, a Matic se concentrou na construção de aspiradores robóticos – mas não porque Dalal, que atua como CEO da empresa, viu a Matic competindo com os iRobots e Ecovacs do mundo. Em vez disso, os robôs de limpeza de pisos forneciam um meio conveniente de mapear minuciosamente os espaços internos, acreditavam ele e Nariyawala.

“Os aspiradores robóticos tornaram-se nosso foco inicial devido à necessidade de cobrir cada centímetro de superfícies internas, tornando-os ideais para mapeamento”, disse Dalal. “Além disso, o mercado de robôs para limpeza de pisos estava maduro para a inovação.”

A compra da iRobot pela Amazon no ano passado, por US$ 1,7 bilhão, destaca o quão valiosos são esses dados de mapas internos. A iRobot, cujos aspiradores robóticos mais recentes capturam layouts detalhados das casas que limpam, supostamente já considerou compartilhar dados de mapeamento com empresas de tecnologia para desenvolver dispositivos domésticos inteligentes e assistentes de IA mais conscientes do contexto.

Ambiciosamente, Matic procurou projetar um robô “totalmente autônomo” que pudesse patrulhar uma casa, ajustar automaticamente a forma como ela limpava com base nos diferentes tipos de piso e manchas e “lembrar” quais rotas ele tomou para melhorar continuamente.

Anos de pesquisa e desenvolvimento produziram o aspirador Matic de mesmo nome, que depende de IA baseada em câmera para mapear e navegar pelas casas (aparentemente com precisão de 1,5 centímetro), reconhecer objetos e alternar entre aspirar e esfregar com base no que observa.

Matic ainda não está disponível para compra. Mas Dalal e Nariyawala o divulgaram para amigos e familiares a partir de abril e, posteriormente, lançaram um pequeno número de testes de campo e beta para clientes.

“Matic foi inspirado por pais ocupados que trabalham e querem viver em uma casa arrumada, mas não querem gastar seu limitado tempo livre limpando”, disse Dalal. “É o primeiro robô de limpeza de pisos totalmente autônomo que aprende e se adapta continuamente às preferências de limpeza dos usuários, sem nunca comprometer sua privacidade.”

Há muitas afirmações ousadas nessa declaração. Mas no que diz respeito à privacidade, a Matic de fato – ou pelo menos afirma garantir – garante que os dados não saiam da casa do cliente.

Todo o processamento acontece no robô (em hardware “equivalente a um iPhone 6”, diz Dalal), e os dados de mapeamento e telemetria são salvos localmente, não na nuvem, a menos que os usuários optem pelo compartilhamento. O Matic nem precisa de uma conexão com a Internet para funcionar – apenas um smartphone emparelhado em uma rede Wi-Fi local.

O aspirador Matic compreende uma variedade de comandos de voz e gestos para um controle refinado. E – ao contrário de alguns aspiradores robóticos no mercado – ele pode retomar as tarefas de limpeza de onde parou, caso seja interrompido (digamos, por um animal de estimação rebelde).

Dalal diz que Matic também pode priorizar áreas a serem limpas dependendo de fatores como a hora do dia e quartos e móveis próximos.

“Como um ser humano, um robô de limpeza de pisos totalmente autônomo deve lembrar quais áreas ficam sujas com mais frequência e limpá-las primeiro”, disse Dalal. “Deve saber que, depois de cozinharmos e comermos as refeições, a cozinha e as áreas de jantar ficam sujas – e limpamos essas áreas automaticamente quando terminamos de comer. Ele deve saber que crianças e cachorros entram e saem do quintal o tempo todo, então talvez limpe perto da porta do quintal cinco vezes por dia, mas debaixo da cama uma vez por semana está bom.

Todo esse levantamento de navegação pode ser realizado apenas com câmeras? Dalal insiste que sim, apesar do fato de que muitos dos aspiradores robóticos mais capazes do mercado dependem de lasers, lidar ou ambos para localizar e mapear espaços simultaneamente.

Vácuo mântico

O progresso do aspirador Matic pode ser visualizado no aplicativo complementar para iOS. Créditos da imagem: Matic

“Para executar todos os algoritmos necessários, desde a profundidade 3D até a semântica, até… controles e navegação, no robô, tivemos que integrar verticalmente e hiperotimizar toda a base de código”, disse Dalal, “desde a modificação do kernel até a construção de um Aplicativo iOS inédito com mapeamento 3D ao vivo. Isso nos permite entregar aos nossos clientes um robô acessível que resolve um problema real com total autonomia.”

Quer a tecnologia funcione tão bem quanto o prometido ou não, o Matic custa um bom dinheiro.

O robô custa a partir de US$ 1.795; estará disponível com desconto de $ 1.495 por tempo limitado quando as pré-encomendas começarem em 2 de novembro. Há uma assinatura opcional de $ 15 por mês que inclui atualizações de hardware, reparos e manutenção, bem como garantia estendida de um ano.

Para efeito de comparação, o aspirador mais caro da iRobot custa US$ 1.399. O Roborock – um rival de ponta – custa US$ 1.600.

Para adoçar um pouco o negócio, a Matic está oferecendo um suprimento anual de sacolas HEPA e “recargas de consumíveis”, bem como uma assinatura gratuita até o final do ano. Mas mesmo que a startup atinja sua meta de envio de março de 2024, há muitas incógnitas – e riscos – envolvidos na robótica doméstica.

Ainda neste ano, a startup de aspiradores robóticos Neato fechou após não conseguir atingir suas metas internas de vendas. A Mayfield Robotics , que esperava vender um robô doméstico em parceria com a Bosch, encerrou as operações antes de enviar uma única unidade aos primeiros clientes. Enquanto isso, a Amazon tem lutado com o Astro , sua primeira tentativa de robô para casa, que meses depois de ser revelado ainda não está disponível para o público em geral.

Dalal e Nariyawala estão tentando manter as despesas gerais razoáveis, mantendo uma equipe modesta – cerca de 60 pessoas (embora Dalal diga que o número de funcionários de Matic provavelmente ficará entre 65 e 70 até o final do ano). E, pelo que vale a pena, eles estão tão confiantes na capacidade de sucesso da Matic que já estão planejando um “próximo conjunto” de produtos robóticos.

“No curto prazo, estaremos competindo com a primeira geração de fabricantes de 'robôs de disco'”, disse Dalal. “Mas nossa principal competição é com qualquer pessoa que construa robôs internos totalmente autônomos, incluindo humanóides… Resolvemos os gargalos de precisão do SLAM e da percepção 3D para tornar onipresentes robôs internos totalmente autônomos e construímos uma pilha de software que pode ser aplicada a qualquer aplicação de robótica interna.”

O tempo dirá se esse otimismo foi equivocado ou bem informado.

Por techcrunch
Tradução por Paulo Boaventura

Share This Article
Leave a review

Leave a review

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *